Mostrar mensagens com a etiqueta aniversário. Mostrar todas as mensagens
Mostrar mensagens com a etiqueta aniversário. Mostrar todas as mensagens

terça-feira, 20 de março de 2018

Filha minha não vai ao cabeleireiro fazer unhas!

Nunca verbalizei, mas já pensei nisto quando vi uma miúda de uns 5 anos a arranjar as unhas com a mãe. Já devia ter aprendido que nestas coisas da maternidade a melhor mãe é aquela que não o é. Antes de o ser e antes de passarmos pelas situações, todas somos as maiores. Em chegando o momento, olhamos para trás, deixamo-nos de ideias feitas, de intenções, de regras e regrinhas impostas por nós e pelos outros, e agimos, mudando ou não de opinião. 

A Isabel pediu-me para ir ao "cabeleiro" pintar as unhas da cor da mãe e eu achei uma ideia bem gira. Ia fazer anos e já sabia que ela ia adorar ir comigo arranjar as unhas e cortar o cabelo. Fomos. Caguei nas minhas ideias pré-concebidas e quis deixar a miúda feliz. Uma coisa era se fizessemos disto rotina, tendo ela quatro anos. Nada contra, pode fazer sentido para alguém (e fazer estes programas juntas é ter momentos de mãe e filha e isso só por si já é excelente), mas prefiro ir sozinha, ter um tempinho para mim, que já é bem raro e, por outro lado, acho precoce que uma criança tenha acesso a estes serviços por rotina. Brinquem ao faz de conta em casa e pronto. 

Fomos ao Nela Cabeleireiros, na Amadora, e foi um espetáculo: unhas cor de rosa e brilhantes, cortou a franja e ainda saiu de lá com duas tranças no cabelo. Eu aproveitei e fiz umas madeixas, ela levou a LadyBug que recebeu nos anos e brincou por lá enquanto esperava por mim. Ainda encomendei uma pizza com muito ananás, como ela gosta, e comemos por lá. Uma manhã muito fixe e diferente e ficámos lindonas :) 

Levámos a Joana do The Love Projectque já é família, para registar o momento. Como sempre, adoreeeeei! Obrigada, Joaninha, pela tua paciência e dom natural para crianças (e fotografia,  mas isso é demasiado ÓBVIO).

Há ali um sorriso e um olhar da Isabel para mim que me derrete toda. Que sejamos sempre assim cúmplices!


























Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:

domingo, 18 de fevereiro de 2018

Já está escolhido o tema da festa de anos da Isabel!

Querem adivinhar qual vai ser o tema da festa de anos da Isabel e da prima Alice?

Um destes desenhos animados, claro. :)


A maior paixão da vida dela são os cães da Patrulha Pata, mas este ano consegui convencê-la a fazer de outro de que ela gosta também muito. Então, o que combinámos foi que ficaria com o bolo da Patrulha Pata para cantar os parabéns no dia de anos, na escola (diz que quer um bolo de chocolate com smarties e com todos os cães da Patrulha Pata - se tiverem dicas e soluções porreiras para não transformar o bolo na coisa mais açucarada do mundo e que fique giro, digam!) e que a festa com a Alice seria da Masha e o Urso. Tinha de ser algo consensual entre as duas primas e confesso que também eu me divirto imenso com aqueles desenhos animados e acho que dá pano para mangas para fazer uma mesa gira.

A festinha vai ser em Évora, em casa dos avós, e vou ter a ajuda da My Little Love, que está já a preparar um lanche delicioso (espreitem a página que tem coisinhas lindas). Em princípio, iremos ter gelatinas, mousse de morango, iogurte grego com mel, bolachinhas decoradas, brigadeiros e beijinhos de coco, pipocas e gomas, mini saladas de fruta e mini cupcakes. De salgados pensámos em mini wraps, mini empadinhas de galinha, mini merendas mistas, espetadas de tomate cherry e mozzarella e uma tábua de queijos com pães, bolachinhas e grissinos. 

O que vos parece? Eu já estou a babar! :)

Sim, ainda falta um mês, bem sei, mas a Isabel não me deixa esquecer do dia NUNCA! Anda num excitex nunca antes visto! 

No dia de anos, vou estar de férias e estava a pensar, além de levá-la ao meu trabalho, algo que me pede todos os dias, ir com ela ou ao cinema ou ao Bounce, que nunca experimentámos. Dêem-me ideias, que serão bem-vindas!

Apeteceu-me despedir-me de vocês com "beijinhos", como se fossem minhas amigas e não é que vou mesmo?

Beijinhos!



www.instagram.com/joanapaixaobras

Nota: o Facebook decidiu mudar o seu algoritmo e a partir de agora vai mostrar-vos mais posts dos vossos amigos e menos de páginas onde fizeram like. Querem saber quando publicamos coisas?
👉 Aqui na página de Facebook da Mãe clicam onde diz “A Seguir” e seleccionam "Ver Primeiro"
Sigam-nos também no Instagram:
E nos nossos pessoais:






segunda-feira, 13 de novembro de 2017

E porquê "a Mãe é que sabe"?

Bom dia a todas, já agora! Isto de escrever os posts na altura em que vou publicar é engraçado por haver esta sensação de "directo" que, em tempos, vivi no meu trabalho quando acordava malta. É giro! 

Bom, fizemos três anos na sexta-feira. A brincar, a brincar (que não é tão a brincar assim porque nos sai do pêlo) já passaram três anos e 2837 posts.

Começamos por ser três, com a Marta Cardoso que podem ver aqui com o magnífico Lucas aqui e entre mim e a Marta (podem ler tudo o que ela escreveu aqui), não se sabe bem quem terá tido a ideia para o nome. Eu acho que fui eu e ela acha que foi ela, mas tanto dá porque... a Mãe é que sabe. 

O nome deste blog, para mim - se calhar para a Joana Paixão Brás será por outro motivo e, para a Marta, ainda outro - faz sentido por causa da quantidade de bitaites que toda a gente dá sobre isto de ser mãe. Vivi uma altura muito complicada em que não me conseguia ouvir no meio de toda a minha insegurança e mesmo depois de ter sido acusada de não ter instinto maternal tentei continuar a batalhar para saber o que é que deveria fazer pela Irene para que ela fosse mais feliz - como se tivesse outra escolha. 

Ilustrações da Sara-a-Dias.


a Mãe é que sabe. 

a Mãe é que sabe e, quando não sabe, sabe o que há de fazer. Demora mais tempo ou menos, estando ela bem ou menos bem, feliz ou infeliz, mas a Mãe é que sabe. A mãe é que sabe a história quase toda (nunca ninguém sabe tudo) e, por isso, com o amor no peito, decide. 

Não há etiqueta no que toca a educação de crianças. A Irene ontem deitou-se mais tarde que "a hora", mas soube-lhe bem ir jantar fora tendo sido ela a propor. E facilmente - porque já estive do outro lado - poder-se-ia julgar que eu era negligente por ela estar a jantar tarde, já com algum sono. 

No meio de tudo isto, o dever da mãe - a meu ver que vale o que vale e, se calhar,lá está, só para mim e para a Irene - é informar-se. Depois da informação, qualquer decisão será válida se vier do peito, do coração. 

Tanto eu como vim a saber que a minha mãe (claro que não será coincidência) não nos arrependemos grandemente de decisões nossas porque, quando as tomamos, não sabemos mais nada além do que nos guia no momento. A única maneira de termos a certeza que é a melhor decisão (possível) é se for a que vem de um lugar de amor e paz.





Porque há decisões que tomamos por estarmos cansadas ou tristes ou zangadas, mas que não nos deixam tranquilas. Que, mais tarde, voltam para nos morder o esqueleto por não termos feito outra coisa. Paz. Tomemos as decisões conscientemente, com amor. 





Que amor mais belo e mais puro que o nosso pelos nossos filhos? Quem mais e melhor que nós é capaz de os amar? Sabemos. Sabemos olhando para os olhos deles, se precisarmos, o que está certo. Temos é que nos dar tempo para sentir. E silêncio. 

Se for preciso até deitarmo-nos com eles à noite só para os ouvir respirar. Muito se esclarecerá dessa forma. De dentro para fora, sem cabeça. Indo buscar o que há de mais... básico em nós. No escuro. Com a nossa cria ao lado, que respira e que foi feita em nós. 



Claro que o Pai também sabe, mas aqui falamos nós. Sobre nós. O que a Mãe sabe também vem do Pai. Do Pai dela, do Pai dos filhos, de todos os pais. Muito do que a Mãe sabe só surge sem dor se o Pai a fizer saber que é amada e que está tudo certo. 


Para mim, é daqui que vem o nome. a Mãe é que sabe e, quando não sabe, faz por saber. 



Parabéns a vocês todas e a nós, Joaninha que escrevemos mais de 2800 posts. 


- Obrigada, Marta, sabendo que ainda fazes parte do blog, mas agora da Arábia Saudita. :) <3 



O meu instagram e o d'a Mãe é que sabe :)
a Mãe é que sabe Instagram

domingo, 17 de setembro de 2017

Não fazia uma festa de aniversário há 10 anos.

A sério. Ou 9, vá. 

Convenci-me a mim mesma que era porque não gostava de festas de aniversário mas foi porque, até agora, passei por uma fase (grandota, irra) em que o tempo estava sempre enublado com alguns períodos de sol (demasiadas previsões do tempo na rádio). Agora que tempo está sempre solarengo (o quanto odeio esta palavra...), mesmo quando chove, troveja ou me queiram cortar um pezinho, estão a voltar a mim as coisas que gosto de fazer. 

E eu gosto de fazer festas de aniversário.

Convidei os meus amigos mais próximos, aqueles mesmo mesmo mesmo mesmo e acabou por ser um grupinho muito pequenino (já não estamos nos 20 em que se convida a malta toda, acho eu), mas impecável.


Um grande obrigada a esta malta toda que me atura desde... os meus 16 anos - como a Rita. Ou desde o 6A como o Miguel, ou desde o 12º ano e todos os dias como se fossemos namoradas como a Susana, ou como a Joana Paixão Brás que fizemos um filho ou como a Ana que sou eu, mas a vestir-se em beta e ainda a morar na linha.

Esta festa de aniversário serviu para me mostrar que ao longo da minha vida fui construindo outra família. Família de pessoas que genuinamente gosta de mim por aquilo que sou (toda a gente ali me conhece sem merdas) e que escolhe continuar na minha vida.

Se há tanta gente que eu adoro e que admiro a gostar de mim é porque eu sou do caraças. Dizem que o nosso valor (vá, discutível) é uma média entre os nossos 5 amigos mais próximos e, se assim for, eu sou mesmo do cacete (como diz outra alma que me ilumina e que só pode ir lá ter mais tarde mas que tem sido a melhor prenda que este ano me deu).

A vida é tudo ao mesmo tempo e nós somos tudo o que fazemos, sentimos, respiramos, as pessoas que temos ou que nos têm...

Não fazia uma festa de aniversário há 10 anos. Andei perdida.

Já cá estou.

Adivinham-se uns 30, lá está: do cacete.

Obrigada também a vocês por fazerem parte disto. Por lerem a minha cabeça tão nua e por tanto amor que me passam.




Tenho 31 anos e sinto que isto só agora começou. Como diz a Fanny: "roda no ar".

Sim, acabei este post citando Fanny.


Vestido (meu favorito): Mahrla



a Mãe é que sabe Instagram

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Coisas que só sei aos 31

Olá, chamo-me Joana Gama e nasci no dia 17 de Setembro de 1986. Faço neste domingo 31 anos e aprendi algumas coisas giras que quero partilhar com vocêzes (imaginem que eu tinha andado a escrever durante 31 anos "vocêzes" e que ninguém me tinha corrigido): 


- A idade não passa de um número 

Isto não quer dizer que ande aí com um rapaz de 16 anos agora ou com um senhor de 60. Simplesmente me tenho vindo a aperceber que, independentemente da idade, há pessoas que surpreendem. Há pessoas mais novas que têm muito para ensinar e o contrário também. 

- Menos jovem não significa menos bonita

Acho que não me estou a convencer disto por ter medo de envelhecer. Acho genuinamente que estou a ficar "melhor" com a idade. A felicidade é a melhor maquilhagem que podemos usar e, mesmo cansadas de tanta coisa depois de sermos mães, o que se transforma em nós é muito mais positivo que outra coisa. 

- Quando nos irritamos com algo o problema é nosso

Sou muito intensa. Há muitas coisas que me enervam, mas isso não passa de um problema meu. Com tempo vim a aperceber-me que o enervamento é algo que nos liga às coisas más e que nos estraga os dias. Percebermos porque é que nos enerva, tentarmos resolver dentro de nós (ou resolver a coisa em si) é fulcral para ganharmos felicidadji  - "ah, felicidadji". 

- Ninguém vê assim tanto os pêlos em nós

Lembro-me de passar Verões inteiros, com uma pinça, depois da depiladora, a retirar os pêlos perdidos pelas pernas e virilhas. Só nós olhamos a esse pormenor. Acho que isso se percebe aos 30 - além de não termos tempo para esse grau de obsessão. 

- Está mal se não ouvirmos música

Eu sabia que precisava de música para viver e estava certa. Nas fases da nossa vida em que nos desligamos de ouvir música que gostemos é porque estamos perdidos. A música possibilita uma dança interior que nos leva a sentirmos romance por nós mesmos. Crucial. Se há segredo para "comer" auto-estima, creio que seja com música (e cabeleireiro haha). 

- Ser mãe não nos tira do mercado

Hell no. Honestamente, parece que ninguém se importa com isso a não sermos nós. É bom vir a saber disso. 

- É tão bom ir dormir cedo

Claro que também precisamos daquelas noitadas só para sentir que podemos ou conseguimos, mas nada como uma noitezinha em condições de sono, mais do que esborrachar 100 euros na Zara mais próxima. 

- Deixar as coisas fluirem

Não vale a pena pedir justificações, pressionar para modos de ser diferentes,... As pessoas fazem o que sentem que querem ou o que querem. Ouvindo e vendo os outros conseguimos deduzir as respostas que precisamos para saber onde colocar aquela pessoa na nossa vida (assim como vendo como reagimos e o que sentimos). 

- Se não gostas, tenta gostar

Há coisas que não dá para por fora da nossa vida por uma questão de timing ou impossibilidade prática. Não gostamos do nosso trabalho? Façamos por gostar. Concentremo-nos no que gostamos mais de fazer e façamo-lo apaixonadamente. 

- Não há tempo para tudo e ainda bem. 

Não há que nos sentirmos culpadas por não termos tempo para aquela pessoa que surge de vez em quando no nosso telefone ou facebook. Temos as nossas prioridades bem definidas e tanto nós como as pessoas que nos rodeiam já sabem que o tempo passa rápido e que não é por "má educação" que não se dá seguimento imediato ao "temos de combinar qualquer coisa". 

Aprendi mais coisas, mas os 31 também me ensinaram que não temos de dizer tudo logo, que pode ir surgindo, sem pressas. :) 


Achei que nesta foto estava com ar de quem manda nisto. 


Fotografia: The Love Project 

a Mãe é que sabe Instagram

segunda-feira, 26 de junho de 2017

Pensava que tinha morrido.


Ser mãe não é pacífico. Calma que já esgotei os meus cartuchos para este mês de lamechices do que é ser mãe, não vem daí mais um texto assim. Vem daí um texto em que vos tento explicar o prazer que é voltar a não ser mãe. Óbvio que a Irene e eu estamos ligadas para sempre como imagino que os gémeos estejam entre si. Uma ligação inquestionável, por muitos kms que os separem ou escolhas. Porém, pensei que tinha morrido. 

Pensei que a minha vida nunca mais voltasse atrás (e não volta). Pensei que a Joana "de antes" era a "de antes", mas afinal não. 

Fui descobrindo-a aos poucos. A Joana que engoliu a de antes e que foi sufocada pela Joana do "durante". 

Essa Joana estava só cheia de medo, com um bebé nos braços e sem saber encaixar a sua loucura saudável, a sua vontade de dizer palermices agora que era mãe. Uma mãe pode ser parva? Uma mãe pode ter piercings nas orelhas? Uma mãe pode querer não ser mãe às vezes? 

Pode. Porque eu posso e, se eu sou mãe e posso, é porque "uma mãe pode". 

Agora, com a separação, tenho uma noite "para mim" por semana (para já, vamos por partes). E a noite da semana que passou foi para ir ao aniversário da Joana Paixão Brás (já vos está a cozinhar um post para logo à noite sobre isso). Estou grata por estas horas. Por não ter que estar com "um olho no burro e outro no cigano" e por poder ser eu, como se ter uma filha fosse uma espécie de segredo. 

Disse disparates, brinquei, comentei, deprimi, falei a sério, falei mais ou menos a sério e quando dei por mim estava num jantar de amigos fabuloso algures na linha com um jantar divinal e a ser a Joana. A Joana que pode não estar atenta a nada porque a miúda está bem entregue. 

E quando supliquei à Joana para que me enviasse as fotografias estava à espera de ver esta. Esta em que olho para mim e em que vejo a Joana pequenina que cresceu, mudou milhares de vezes de escolas, de casas, de amigos, de ideias, de sentimentos, foi casada, é mãe... e... está linda. 

Pensava que tinha morrido. 

Afinal não.


Coisinhas giras: 

Vestido - Mahrla

Brincos e colar - Our Sins 

✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 

Descobri o melhor espaço para festas especiais!

Sei bem que não é fácil encontrarmos espaços à altura de uma festa especial: um baptizado, um casamento pequeno, uma festa de anos diferente, um evento empresarial. Encontrei um que reúne tudo: vista, piscina, catering, simpatia... É na Parede, perto de Lisboa, e chama-se Casa dos Cedros. Foi lá que festejei os meus 31 anos na companhia de amigos. 
Saímos de lá com a certeza de que lá havemos de voltar: dois amigos já lá vão fazer as festas de anos (imitadores).

Apesar de não termos desfrutado da piscina (só um corajoso lá foi), estava-se mesmo bem, nos puffs a ouvir uma música chill out. Lá dentro, as mesas com queijos, enchidos, fritos, fruta para irmos petiscando antes do jantar (e uma sangria óptima, sumo de morango, água aromatizada). Lá fora, as mesas postas para o jantar: entradas (provei o gaspacho, bem bom), bacalhau com natas (delicioso!) e arroz de pato (disse que já não conseguia comer mais, mais foi até ao último bago de arroz). Depois, as sobremesas bem boas, com aquele conforto de estarmos a ser servidos com toda a simpatia e concentrados apenas no que é importante: os amigos. 
Estava tudo melhor do que imaginei (mentira, imaginei-me na piscina até às 23h mas o tempo lixou-me), o espaço é mesmo bonito e a festa foi tranquila, deu para conversar à vontade (não havia crianças eheh) e senti-me muito feliz. 

Vejam lá, não vos parece bem?


























Espaço, decoração e catering - Casa dos Cedros Eventos

 Ganda 31!

Sigam-nos no instagram aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade.