domingo, 11 de junho de 2017

Primeira noite com ela na casa do pai (e primeira noite sem ela).

Há uns bons meses, quando fantasiava com a primeira noite sem a Irene, estava longe de imaginar que seria por me ter separado e por ela ir dormir à casa do pai. Apesar de termos concordado que fico com a custódia dela, que ela vai fim-de-semana sim, fim-de-semana não para a casa do pai, todas as sextas e durante a semana sempre que o pai quiser (desde que a traga a hora de iniciar a rotina de sono), as coisas têm ido devagarinho.  

Assim que o pai teve o quarto dela pronto na "casa do Pai", fiquei entusiasmada por poder incentivar a dormida. Não quero que ela perca a ligação com o pai enquanto cuidador e fique só pai "de fim-de-semana". Tudo isso depende da relação que construirem os dois, mas dormir em casa do pai é fundamental, o pai cozinhar para ela, dar-lhe banho, verem os dois televisão, fazerem planos... 

Estava feliz por ambos e ainda estou. A Irene precisa de sentir o toque do pai, o cheiro do pai, ouvi-lo gargalhar, fazer as brincadeiras que só eles sabem, sentar-se no colo do pai, pentear o pai, pregar-lhe sustos, ver o amor profundo nos olhos do pai... Só se vêem essas coisas estando, sentido, com calma. 

Ontem foi a primeira noite na "casa do pai" e foi também a nossa primeira noite separadas. Estava confiante que iria ser simples, mas não foi. Quando a deixei lá, ele fez-me notar que dei umas 3 vezes o mesmo recado e acabou por me sair (surpresa) "isto não está a ser fácil para mim". Facilmente me desfiz em lágrimas enquanto "corria" para a saída (a Irene não viu nada) e disse: "é a primeira vez que durmo sem ela, não é fácil". 

Dei-me uns minutos de tristeza esquisita. Porque não era tristeza, era... Desconforto. Fui eu que incentivei a dormida, quero muito que ela durma mas... e quando chegasse a casa e visse o quarto dela vazio? 

"Ela está com a outra melhor pessoa para cuidar dela em todo o mundo".

Segui e fui correr. Corri 5 kms e passou-me (reportagem no meu stories no meu instagram). Fiquei feliz pelos dois, apesar de ter sido difícil adormecê-la. Ela percebe que quando está com o pai que é o tempo dos dois e que, quando está comigo também. Não chamou por mim. E por que haveria de o fazer? :)

Voltou hoje às 11 da manhã. Tranquila. Descansada. Sem saudades minhas. Feliz. Pronta para outra e eu também.  






Coisinhas giras: 

Fotografias - Joana Hall


Colar do coração e brincos - Our Sins 

Relógio - Timex 


Para ler: 


✩✩✩✩✩✩✩✩✩✩

Sigam-nos no instagram 
aqui 
a mim também aqui e à outra Joana aqui.
O nosso canal de youtube é este.
Enviem-nos um mail  à vontade. 



22 comentários:

  1. Ainda bem que ela tem um pai assim!!!

    ResponderEliminar
  2. Coragem e força. Não deve ser nada fácil mas é tão saudável que encare com naturalidade!

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  3. Lindo post. Sincero e delicado. Obrigada por partilhar.

    ResponderEliminar
  4. Multiplica por dois. As primeiras vezes custa muito. Alias, custa sempre. Mas tenho que me confessar que os fins de semana sem eles me sabem muito bem. É esquisito. Mas passei a ter um tempinho para mim. E no fundo, sei que estao bem. Um beijinho e um dia de cada vez...

    ResponderEliminar
  5. Adorei o post, muito real e sincero, força e obrigado por partilhar. Beijinhos

    ResponderEliminar
  6. Fiquei com o coração apertado, porque sei o que sente, bjinho grande.

    ResponderEliminar
  7. Joana não te sentiste a morrer por dentro ao chegares e a casa estar vazia??? Eu não estou separada nem acho que vá acontecer, nem quero! Tenho duas filhas, quase 3 anos e 6meses. Meu deus se um dia chegar a casa e elas não estarem...acho que morria a cada minuto que passasse a espera delas! Adorei o post, no sentido em que me doeu a alma e o coração ao pensar se fosse comigo.
    Um grande beijinho

    ResponderEliminar
  8. Por curiosidade se a irene ainda mama a noite e de manhã como fez?? E agora essa ligação que existe?? Muita força e um beijinho

    ResponderEliminar
  9. E a amamentação?
    Ela não está habituada a maminha para conforto(à noite para dormir, logo de manha, e se acordar durante a noite?)?
    E a Joana, coma "falha" de várias mamadas também não deve ser fácil. Tem de tirar o leite?

    ResponderEliminar
  10. Também me separei do meu ex marido quando a nossa menina tinha 2 anos.. não foi fácil porque optamos por ela ficar uma semana com cada um.. agora com 10 anos está tudo igual e ela feliz da vida, eu já tenho outra pessoa é o pai também e damo nos todos muito bem e estamos várias vezes todos juntos.. mas que custa estar sem ela.. custa sim e mesmo passando todo este tempo continua a custar mas sei que ela está bem e nós estamos bem por ela e todos felizes.. um beijinho ��

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E assim é que deve ser, é ridículo só passar um fim de semana com o pai de duas em duas semanas. Depois não querem que lhe chamem pai de fim-de-semana. Que eu saiba o pai é tão importante quanto a mãe, guarda partilhada é fundamental para o crescimento saudável de uma criança

      Eliminar
  11. Joana, vai custar sempre mas has de te acostumar.os fds do pai passam a ser exclusivamente teus...
    Tenho a mm situaçao aqui em casa, desde q elas (gemeas)fizeram 1 ano.
    Vai custar horrores nos primeiros tempos mas eventualmente, de 15 em dias ,tens um fds apenas p ti.. e vai saber mto bem.
    Força e bjinhos

    ResponderEliminar
  12. Ainda bem que consigo é assim no meu caso a minha menina quando chega do pai chora muito e atira os brinquedos pelo ar dá pontapés em tudo e em todos,não consigo compreender porquê destes comportamentos. Sinto me impotente ao ajudar a minha princesa e nada a acalma

    ResponderEliminar
  13. Revejo-ne no seu texto que me vez verter uma lágrima. Também sou recém separada e dividimos a custódia de 4 filhos e se incialmente pensava que até iria ser bom ter tempo para mim, a verdade é que uma casa em silêncio doi demais e acabo por nao fazer nada do que tinha em mente porque a tristeza me derrota. Espero que com o tempo passe, tal como dizem. Um beijinho Joana, adorei o seu desabafo.

    ResponderEliminar
  14. Força Joana. Não é fácil, nada fácil mesmo. É uma aprendizagem, vais ficar mais forte.
    Beijinho grande

    ResponderEliminar
  15. Adorei o seu texto e revejo-me muito nele. Também sou mãe recém separada e partilho a guarda de 4 crianças com o pai. No inicio ainda pensei que iria finalmente ter o tempo para mim que sempre desejei e que iria fazer mil e uma coisas, mas o silêncio da casa e a tristeza derrotam-me e acabo por nao fazer nada. Espero que melhore com o tempo como toda a gente diz. Um beijinho e força. Adoro o seu blogue.

    ResponderEliminar
  16. Joana tenho o mesmo medo.
    Esta realidade vai acontecer aos 3 anos e sofro por antecipação desde os 12meses :/ bem um passo de cada vez.

    ResponderEliminar
  17. Joana é uma bênção ter um pai assim para a sua menina.

    No meu caso, estou separada desde a gravidez e estou a dar de mamar.
    O tribunal decretou que aos 2 anos, o meu filho passa a dormir em casa do pai de 15 em 15 dias.
    É um pai ausente e não sei como agir quando chegar a altura.

    ResponderEliminar
  18. ola Joana...sei que a primeira vez custa e é extremamente dificil, mas com o passar do tempo vai adorar o tempo dete mãe solteira sem filha hihihihihihh vai ter tempo para ir ao cinema, vai ter tempo para sair á noite, vai ter tempo para fazer compras e tempo para simplesmente nao FAZER NADA...... tudo de bom

    ResponderEliminar